Um novo jeito de acordar - Superinteressante

Superinteressante

Super 345 - Falta de sol e a polêmica da vitamina D Por anos, o sol foi um vilão da saúde, e aprendemos a nos esconder dele. Hoje, mais da metade da população tem níveis baixos de vitamina D. E isso pode estar ligado ao aumento nos casos de depressão, câncer e outras doenças.

Assine a Super

TECH

Um novo jeito de acordar

Despertador inteligente usa sensores, luzes e sons para despertar você da melhor maneira possível: na hora certa, mas sem sofrimento

por Bruno Garattoni e Fernando Badô

A CIÊNCIA

O sono humano tem quatro fases, cada uma com aproximadamente 90 minutos. Elas se sucedem (e depois se repetem) enquanto você dorme. O ideal é que você acorde enquanto está nas fases 1 ou 2, que são mais leves. Se isso acontecer, levantará mais facilmente e mais disposto. Mas os despertadores comuns não sabem disso. Simplesmente tocam no horário programado.

A TECNOLOGIA

O Aura é diferente. Usando um sensor, que fica embaixo do colchão, ele mede alguns dos seus sinais vitais, como batimentos cardíacos, respiração e movimentação na cama. Analisando e combinando essas informações, o aparelho consegue saber em qual fase do sono você está. E determinar qual é o melhor horário para acordar você.

COMO FUNCIONA

Você escolhe o horário em que quer acordar. Mas ele não é seguido à risca pelo aparelho - que pode optar por despertá-lo um pouco antes, quando seu sono estiver nas fases leves. Você não corre o risco de se atrasar para nada, pois o despertador não adia a hora de acordar. Só antecipa, de acordo com os ciclos do seu sono. Você acorda mais cedo - mas se sentindo melhor.

COMO DESPERTA

Quando chega a hora de acordar, o Aura toca sons suaves e aciona uma lâmpada de LED, que vai ficando mais brilhante e azulada - pois essa cor inibe a produção de melatonina, o hormônio que causa sonolência. O aparelho também manda um relatório para o seu smartphone dizendo como você dormiu (quantas vezes acordou e quanto tempo sonhou durante a noite).

Aura - Nos EUA: R$ 680 - vitrine.withings.com/aura

1. MIL BARRINHAS

Cansado de ficar sem sinal de celular? Este adaptador conecta o seu smartphone ou tablet a uma rede de 66 satélites, que promete cobertura em qualquer lugar do planeta. Além de comprar o aparelho, é preciso pagar uma mensalidade de R$ 290.

Iridium Go - Nos EUA: R$ 1.800 - iridium.com

2. 5 METROS

Vive esquecendo seus óculos por aí? Estes resolvem o problema, pois têm um sensor que se comunica com o seu smartphone - ele soa um alarme se você se afastar mais de 5 ou 10 metros dos óculos. Aí, o telefone mostra um mapinha indicando onde eles estão.

Tzukuzi - Nos EUA: R$ 790 - tzukuri.com

3. 6.000 PONTAS

Feito para a prática de ioga, este tapete tem 6 mil pequenas pontas que pressionam o corpo e prometem efeitos relaxantes, como os da acupuntura. Feito de lona de algodão, ele pode ser dobrado e carregado como bolsa.

Hed of nails - Na Europa: R$ 113 - yogamad.com

4. 1,5 SEGUNDO

Este relógio de bolso atrasa apenas 1,5 segundo a cada mil anos - é 240 mil vezes mais preciso que o Big Ben. É que ele conta o tempo medindo as oscilações de energia de átomos de césio (que ficam num chip blindado, dentro do relógio).

Hoptroff Nº 10 - Na Europa: R$ 178 mil - hoptroff.com

5. NOVE CANAIS

Estes fones de ouvido sem fios prometem reproduzir o efeito de um home theater incrementadíssimo: reproduzem o som de filmes e games em nove canais de áudio (cinco frontais e quatro traseiros). A bateria é recarregável e dura 12 horas.

MDR-HW700DS - Nos EUA: R$ 1.140 - store.sony.com

6. 7,2 QUILOS

É o peso deste carrinho de bebê, a metade dos similares. Mas o mais interessante é o gerador embutido: que capta a energia gerada pelo movimento das rodinhas, e usa para recarregar a bateria do seu celular (ou qualquer gadget USB).
Origami Mini - Nos EUA: R$ 1.020 - 4moms.com

publicidade

anuncie

Super 345 - Falta de sol e a polêmica da vitamina D Por anos, o sol foi um vilão da saúde, e aprendemos a nos esconder dele. Hoje, mais da metade da população tem níveis baixos de vitamina D. E isso pode estar ligado ao aumento nos casos de depressão, câncer e outras doenças. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 345
abril/2015

Falta de sol e a polêmica da vitamina D
Por anos, o sol foi um vilão da saúde, e aprendemos a nos esconder dele. Hoje, mais da metade da população tem níveis baixos de vitamina D. E isso pode estar ligado ao aumento nos casos de depressão, câncer e outras doenças.

- sumário da edição 345
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Tecnologia

publicidade

anuncie